Doença celíaca e o fígado: que relação é essa?

Doença celíaca e o fígado: que relação é essa?

Olá! Espero que você e seu fígado estejam bem. E dessa vez meu desejo se estende a quem tem intolerância a glúten.

É que hoje vou falar sobre alterações no fígado na doença celíaca, uma doença autoimune, comum em quem tem predisposição genética.

Nela, o organismo tem intolerância e dificuldade de uma enzima capaz de digerir o glúten, que é uma proteína presente em cereais como trigo, aveia, malte e cevada.

Diante disso, se a pessoa ingerir pão, pizza, cerveja tem sintomas relacionados ao trato gastrointestinal, como diarreia, flatulência, distensão do abdômen, perda de peso, fraqueza, anemia.

Hoje, sabemos que a doença celíaca pode se apresentar junto com alterações no fígado, com um aumento de uma enzima chamada aminotransferase. E isso pode ser comprovado por exames de sangue.

Há casos em que o simples fato do celíaco fazer o tratamento básico da doença, que é deixar de consumir glúten, já faz com que essas alterações no fígado também diminuam, e tudo volte ao normal. Mas há situações em que isso não acontece.

Daí é preciso investigar, porque pode ser que o problema não esteja associado à doença celíaca.

Isso pode acontecer, por exemplo, no caso de uma hepatite crônica provocada pelos vírus das hepatites B ou C. Olha aí a importância de se vacinar contra o vírus da hepatite B!

Ou, então, por algum medicamento que a pessoa esteja tomando, pelo consumo excessivo de álcool ou devido à esteatose hepática, a popular gordura no fígado associada à obesidade, à diabetes ou ao colesterol elevado.

Enfim, são muitas as possibilidades. O que mostra a importância de incluir os exames do fígado no seu check-up anual e consultar um gastroenterologista com título de especialista em hepatologia pela Sociedade Brasileira de Hepatologia. Pense nisso e se cuide. Eu fico por aqui. Obrigado, um abraço e até o próximo AI, MEU FÍGADO!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Precisa de ajuda? Whatsapp