A vida do hepático durante a pandemia do coronavírus

A vida do hepático durante a pandemia do coronavírus

Olá. Espero que você e seu fígado estejam bem. E é justamente pensando nisso que trago aqui as recomendações práticas da Sociedade Brasileira de Hepatologia, que podem afetar a sua rotina de tratamento. São elas:
  1. A decisão por manter ou adiar consultas de rotina deve ser tomada pelo seu médico, que vai levar em conta o resultado de exames recentes.
  2. Atendimentos, tratamentos e exames de quem tem cirrose descompensada ou câncer de fígado não devem ser suspensos nem espaçados. No máximo, ter data e horário alterado em nome de evitar aglomerações na sala de espera. Sobre as coletas, o ideal é que sejam feitas em unidades separadas do serviço de urgência e de maneira prioritária. Portanto, avise à recepção sua condição de saúde.
  3. Para receber orientações gerais e reduzir as idas até o hospital, estabeleça contato com o seu médico por telefone ou via internet. Muitos já estão praticando a telemedicina por orientação do Conselho Federal de Medicina.
  4. Para evitar que o paciente com ascite, que é o acúmulo de líquido na região abdominal, precise procurar um serviço de emergência, pode ser que o médico faça a punção desse líquido preventivamente. Mas isso deve ser analisado caso a caso.
  5. As receitas podem ter o tempo de validade prolongado.
  6. Dependendo da urgência de cada caso, pode-se seguir com o plano de fazer biópsias e TIPS, uma pequena cirurgia que, entre outros benefícios, diminui o risco de hemorragia por varizes esofágicas e gástricas.
  7. Já transplantes e cirurgias para remoção de tumores no fígado devem ser mantidas, na medida do possível, claro. Levando em conta a disponibilidade de leitos na UTI, ventiladores e outras necessidades para o recém-operado.
  8. Em contrapartida, apesar da ligadura elástica de varizes do esôfago não ser urgente, ela tem alta prioridade. Por isso, a Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva sugere considerar os riscos para a equipe de saúde e os benefícios para cada paciente.
Por fim, quero reforçar que mais estudos sobre o impacto do coronavírus no cuidado de pacientes hepáticos estão sendo feitos. E que qualquer dúvida deve ser esclarecida com o seu médico. Eu fico por aqui. Um abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Precisa de ajuda? Whatsapp