Esteatose: nem simples, nem o fim do mundo

Esteatose: nem simples, nem o fim do mundo

Olá! Espero que você e seu fígado estejam bem. E, para ele continuar assim, o nome do remédio é bom senso. Digo isso porque é muito perigoso achar que ter esteatose hepática é normal, com a desculpa de que quase todo mundo tem, cerca de uma a cada três pessoas.
Por outro lado, também é arriscado entender o diagnóstico como uma sentença de morte. E sair fazendo todas as receitas caseiras e ensinadas na internet, que não têm qualquer comprovação científica e podem ser tóxicas para o fígado.
Ao descobrir estar com esteatose, o primeiro passo é consultar um gastroenterologista com título de especialista em hepatologia pela Sociedade Brasileira de Hepatologia, para saber o grau da doença, excluir outras doenças e definir o que deve ser feito no seu caso específico. Há casos que precisam ser tratados com medicamentos, outros podem ter indicação de terapia específica para obesidade, até mesmo com procedimentos cirúrgicos. Diante de tantas possibilidades, o mais importante é não ficar parado e consultar um especialista para cuidar da sua saúde do jeito certo. Pense nisso. Um abraço!
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Precisa de ajuda? Whatsapp